Deglutição atípica e adaptada

Deglutição atípica e adaptada

O que é deglutição?

É uma ação motora automática, na qual estão envolvidos músculos da respiração e do trato gastrointestinal.
Seu objetivo é o transporte do bolo alimentar e limpeza no trato respiratório.

Como se processa a deglutição?

Em quatro fases.
A primeira fase é a fase preparatória, momento em que o alimento é mordido e mastigado.
Na segunda fase este alimento será posicionado sobre a língua onde se inicia o movimento ondulatório da mesma, desencadeando o reflexo de deglutição.
A terceira fase é aquela em que o bolo alimentar passa pela faringe.
A quarta fase ocorre quando há passagem para o esôfago até o estômago.

O que é deglutição atípica?

Corresponde a movimentação inadequada da língua e/ou outras estruturas que participam do ato de deglutir durante a fase oral, sem que haja nenhuma alteração dentária ou estrutural na cavidade oral.
As causas deste tipo de deglutição são: sucção digital, sucção de chupeta, uso de mamadeira por longo tempo, hipertrofia de tonsilas (amídalas), fatores alérgicos, características genéticas e estruturais, dietas inadequadas, dentição mista (neste caso é fisiológica).

O que é deglutição adaptada?

Quando a deglutição ocorre de forma incorreta por consequência de algum outro problema, como má oclusão dentária ou respiração oral. A língua se adapta a forma da cavidade oral, tipo facial do indivíduo ou das funções inadequadas existentes. As causas são: má oclusão dentária, atrofia dos cornetos (no nariz), palato profundo, mordida cruzada, mordida aberta, alteração do aparelho respiratório, respiração oral, postura corporal alterada.

Como tratar?

A fonoterapia tem como objetivo a reabilitação das funções (respiração, sucção, mastigação, deglutição e fala) para a estabilidade do sistema estomatognático melhorando as possibilidades do paciente através de exercícios, conscientização, orientação e reeducação.
O trabalho pode requerer em alguns casos, a participação de uma equipe multidisciplinar para obtenção de melhores resultados, tais como médicos atuando nos processos alérgicos, fisioterapeuta atuando nos problemas posturais, ortodontista ou ortopedista dos maxilares atuando na correção dos desvios do crescimento facial e dos distúrbios oclusais. Para que o indivíduo após a correção dentária não permaneça com a maneira de deglutir adquirida anteriormente, é necessária a reabilitação, evitando assim possíveis recidivas.