Voz do professor

Voz do professor

Por que a voz é tão importante para o professor?

Porque é através da voz que ele transmite o conteúdo da aula, ensina, controla os alunos e demonstra atenção e carinho.

Por que os professores têm tantos problemas de voz?

Porque os professores usam a voz constantemente e não treinam sua voz para resistir ao desgaste da comunicação em sala de aula.

Como saber se existe um problema de voz?

Se o professor percebe que sua voz nos finais de semana ou nas férias é melhor, se faz esforço para falar, se ao final do dia sua voz está fraca, cansada ou rouca, se sente algum incomodo ao falar ou se as pessoas perguntam o que está acontecendo com sua voz, é possível que esteja com algum problema que precisa ser investigado.

Qual profissional pode ajudar a resolver o problema de voz?

O Otorrinolaringologista e o Fonoaudiólogo.

O que o professor pode fazer para manter sua voz saudável?

Procure reduzir o esforço na fala, mantenha o corpo hidratado tomando goles de água e fale mais devagar articulando bem as palavras.

Dificuldades de fala podem interferir na alfabetização

Dificuldades de fala podem interferir na alfabetização

Os pais devem ficar atentos ao desenvolvimento da linguagem, porque crianças que demoram a falar ou falam com muitas trocas de sons até mais tarde, quatro ou cinco anos, podem ter dificuldade de alfabetização.

Como se apresenta a fala da criança aos dois anos?

Embora haja variabilidade na aquisição da linguagem de cada criança, existe uma seqüência cronológica e desenvolvimento para todas. As crianças com desenvolvimento adequado aos dois anos falam em torno de cem palavras e utilizam frases de duas palavras, relacionando com situações concretas. Perguntam o nome das coisas e se interessam por livros.

Quais as orientações que devem ser dadas aos pais?

Se seu filho foge muito aos padrões descritos acima é aconselhável um encaminhamento a uma fonoaudióloga para orientação de prevenção, avaliação e tratamento se forem necessário.

Estimulação neurofuncional global

Estimulação neurofuncional global

Você sabia que toda vez que você aprende algo novo ou adquire alguma experiência, as células do seu cérebro sofrem uma alteração que se reflete em seu comportamento?
As alterações celulares decorrentes da aprendizagem e da memória são chamadas de PLASTICIDADE CEREBRAL.
Com o crescimento da tecnologia através de exames, a cada dia mais precisos de neuroimagens, descobriu-se que essas alterações celulares permanecem acontecendo independente da idade e da sequela que o indivíduo apresente.
O cérebro adora novidades! Ativamos o cérebro sempre que fazemos algo novo ou aprendemos alguma coisa nova.
O SEGREDO é manter-se ativo, motivado! O conceito de velhice está mudando… Os idosos tem muito a viver e a contribuir.
As pessoas com menos atividade, mesmo que não apresentem qualquer lesão cerebral, apenas uma espécie de DESACELERAÇÃO do cérebro acabam por apresentar uma DIMINUIÇÃO da função cerebral.
Não é porque as células neurológicas (neurônios) “adormecem” que surgem perdas de memória, é exatamente o contrário; é porque o cérebro está “sem atividade” que as células “adormecem”.

O que você vai fazer?

Hoje em dia se vive muito mais. A que vai se dedicar? Como vai preencher sua vida de forma ativa, agradável e saudável?
Procure ser útil, busque o prazer. Você tem direito ao prazer na vida.
O cérebro precisa trabalhar para manter-se bem. Verdi compunha óperas aos oitenta anos, Ticiano tinha mais que isso quando começou a esculpir a Pietá. Roberto Marinho, Barbosa Lima Sobrinho trabalharam até com mais de 90 e 100 anos. Oscar Niemayer continua fazendo projetos em arquitetura. E tantos outros…
O cérebro possui em torno de 100 bilhões de neurônios e da mesma forma que os músculos do corpo, desenvolve-se pelo uso. Quanto mais você usa, mais ele se manterá em forma.
O cérebro possui áreas especializadas nas diversas funções como: motricidade, fala, leitura, escrita, resolução de problemas, raciocínio lógico, música, etc…É preciso ativar o cérebro nas diferentes áreas, com diferentes e diversificadas atividades.
Estimule seu cérebro saindo da rotina e se propondo a viver melhor.
Chamo a atividade de exercitar o cérebro em diferentes áreas de ESTIMULAÇÃO NEUROFUNCIONAL GLOBAL.
Os exercícios propostos aumentam a OXIGENAÇÃO e a CIRCULAÇÃO do cérebro, além de POTENCIALIZAR a aprendizagem, a memória, a auto-estima, a comunicação, a criatividade, a flexibilidade corporal, o interesse pela vida e a alegria de viver.

Quem pode e deve fazer a ESTIMULAÇÂO NEUROFUNCIONAL GLOBAL?

Da criança ao vovô, todos podem fazer, desde que não exista impossibilidade constatada pelo seu médico.
Na meia idade, a partir dos 45 anos, esta estimulação é uma valiosa ferramenta preventiva muito importante para a qualidade de vida e para o envelhecimento saudável. Especialmente se existe possibilidade de herança de doenças degenerativas como Alzheimer, Parkinson, síndromes musculares, escleroses, demências, etc.

Voz falada

Voz falada

Falar é sem dúvida, a grande conquista do homem, é o meio de externar seu pensamento. Saber falar, se comunicar, transmitir o que sente e o que se pensa são necessidades básicas do homem. Atualmente falar bem e com boa voz é essencial. É a expressão sonora da personalidade. Cada pessoa tem sua voz, e é tão característica quanto à fisionomia. O falar é uma função conjunta dos aparelhos respiratórios e digestivos, não possuímos nenhum órgão específico destinado à fala. Ela sofre várias alterações durante nossa vida: a voz infantil dá lugar, gradualmente, à voz da puberdade, época do processo da muda vocal (quando a transformação hormonal é acompanhada de uma transformação geral do organismo), na gravidez, durante a menstruação, em função de determinadas doenças hormonais e neurológicas e com o envelhecimento (a deficiência dos hormônios masculinos ou femininos dá instabilidade à voz, hipotonia aos músculos e enrijecimento às cartilagens). Ela reflete o estado emocional do homem, seu estado de saúde, seu meio de cultura e suas características raciais. A voz é o som produzido pela vibração das pregas vocais, quando o ar vindo dos pulmões passa pela laringe. Esse ar precisa ser amplificado nos ressonadores (faringe – nariz – boca) e depois articulado (lábios, dentes, língua, palato, bochechas, mandíbula), para produzirmos os sons da fala, sob o comando do sistema nervoso. Alguma alteração produzida no som durante esse percurso trará conseqüências na voz. O Fonoaudiólogo é o profissional capacitado para restabelecer a normalidade da voz ou o mais próximo possível disto, dependendo das condições de cada paciente.